WirelessBRASIL - Bloco RESISTÊNCIA

Abril 2012             


08/04/12

• A tropa do BloP - Blogueiros Progressistas (1) - Definição de "progressismo" e de "Blogueiro Progressista". Ligação com o "PC do B"

Nota de Helio Rosa:

01.
Mantenho, há 11 anos, mesmo antes do advento dos "Blogs" (contração do termo "web log" ou "diário da web") na forma atual, dezenas de páginas temáticas sobre assuntos de telecom e cidadania, com estrutura semelhante aos onipresentes diários virtuais.

O custo de hospedagem e manutenção sempre foi baixíssimo e não fiquei mais pobre por causa disso. E nem mais rico, pois não recebo nenhum financiamento e não há propagandas em minhas páginas, que eu mesmo programo. Hoje o custo é "zero", para se criar um "blog padrão", em formato pré-programado,

Então estou muito à vontade para acompanhar a atividade dos "blogueiros progressistas" e o faço de desde junho de 2011, com alguns registros nesta página: A tropa do BloP - Blogueiros Progressistas, que passo a reformular e atualizar com este "post".

E minha motivação cresce quando o assunto desses blogueiros é a revisão da história da luta armada, pois sou
testemunha ocular e sobrevivente do "atentado do aeroporto dos Guararapes", em 1966.

02.
Vejamos uma das definições do termo "progressista".

Entre outras acepções, o Dicionário Houaiss registra esta, no verbete "Progressista":

Progressista: 7.  Política - Que tem afinidade com idéias socialistas ou marxistas, pertencendo ou não a um destes partidos.

03.
Inicialmente, os atuais "blogueiros progressistas" gostavam de ser chamados de "sujos" e adoravam quando assim Lula se referia a eles.

O bloqueiro sujo-progressista Paulo Henrique Amorim nos brinda com a origem do termo "sujo" (grifos meus):

(...) "Os blogueiros progressistas também são conhecidos como blogueiros sujos porque, na campanha presidencial de 2010, o candidato José Serra – que, no meu site, Conversa Afiada, eu chamo de Padim Pade Cerra, porque ele incorporou alguns elementos de um misticismo falso – ele nos identificou como sendo sujos; existem os blogueiros limpos, que são aqueles que estão pendurados na Folha, no Globo, no G1, no Estadão, e os outros são os blogueiros sujos; então, é uma divisão muito tosca.
Nós somos mídia alternativa porque não estamos pendurados em lugar nenhum; eu, Nassif, o Miro Borges, o Azenha, o Rodrigo Viana, o Eduardo Guimarães, que somos o núcleo original do Instituto de Mídia Alternativa Barão de Itararé, nós não estamos pendurados em nenhum grande órgão de imprensa, nós estamos pendurados em algum ponto da blogosfera e, de lá, nós emitimos nossos sinais cáusticos e críticos.(...) [Fonte]

04.
Amorim citou que não estão "pendurados" em lugar nenhum.
Digamos que esta afirmação não corresponde exatamente à realidade...

Veremos, neste e nos próximos "posts", que recursos não faltam e são vários os "ganchos" onde os "progressistas" estão dependurados.

05.
O Instituto de Mídia Alternativa Barão de Itararé, citado acima por Amorim, pode ser considerado o "braço militante virtual do PC do B" pois seu presidente, jornalista Altamiro Borges, é membro de Comitê Central do Partido onde é o Secretário Nacional para Questão da Mídia.

O PC do B, como se sabe, controla o Ministério do Esporte desde o primeiro dia do governo Lula, há mais de 11 anos. Controla também a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). 
O "PC do B", que tem um histórico ligado à violência, não deixa de ser um partido pequeno em relação ao universo de eleitores e há um aparente paradoxo na sua influência nos governos petistas.

Vale conferir este artigo transcrito mais abaixo:
Coluna do Ricardo Setti
[07/12/11]   Me expliquem, que eu quero entender: por que um partido sem votos como o PC do B tem tanta força no governo Dilma

O PCB - Partido Comunista do Brasil, estava na ilegalidade muito antes da "Revolução de 1964", mais exatamente desde 07 de maio de 1947, quando o Brasil rompeu relações a URSS.

Em outubro de 1961 os stalinistas foram expulsos do PCB. No ano seguinte, de 11 a 18 de fevereiro de 1962, em São Paulo, realizam uma Conferência Nacional Extraordinária , e fundam o Partido Comunista do Brasil, com a sigla PC do B

O PC do B voltou à legalidade após a Lei da Anistia.

A "Revolução de 1964" foi basicamente um movimento anticomunista feito pela sociedade brasileira, pois o PCB  e seus derivados eram "ilegais de direito" mas "legais de fato", e seus membros estavam ostensivamente infiltrados em todo o governo João Goulart. O objetivo do PCB sempre foi tomar o poder pela violência, para instalar no Brasil a "ditadura do proletariado".

A história real do PCB, desde suas origens, está contada no livro "Orvil", disponível para download (pdf) aqui e que estou reformatando aqui.

Os integrantes do PC do B podem estar em "atividade relativamente discreta" "vida vegetativa" ou "animação suspensa" mas são todos muito perigosos para a democracia.
Recentemente o PC do B teve suas entranhas expostas no "escândalo do Ministério do Esporte" e na demissão do Sr. Orlando Silva.

O Ministério do Esporte, como é "capitania hereditária" no "presidencialismo de coalizão" praticado por Dilma Rousseff, continua nas mãos - e bolsos - do PC do B, e está gerenciando as próximas Copa e Olimpíadas. O novo ministro é Aldo Rebelo, membro do Comitê Central do Partido.

06.
Socorro-me de uma matéria já divulgada neste espaço, que define o que é um blogueiro progressista:

(...) Depois da internet, as possibilidades de liberdade, trabalho e negócios aumentaram muito nas comunicações, em favor dos jornalistas. Muitos profissionais que desejavam maior autonomia deixaram os veículos onde trabalhavam e criaram por exemplo blogs próprios. Alguns vendem seu trabalho a veículos, cobrando pela cessão do link para sua página pessoal - produzida, em tese, com maior liberdade. Outros procuram não vincular-se aos veículos tradicionais, mas a outros investidores.

Nesse cenário, surgiu uma turma de jornalistas que se intitulam "Blogueiros Progressistas". Eles se nominam assim, mas no fundo a maioria é ligada ao PT e ao governo. Defendem a sigla e o governo atual em contraposição à "versão da mídia tradicional". É justo que o façam? É.

Mas, sendo assim, mais honesto seria que se chamassem de "Blogueiros Petistas ou Governistas", porque, afinal, progressista não precisa estar no PT. Além disso, se não existe imprensa imparcial, e não existe mesmo, faria bem à democracia se essa turma não se disfarçasse sob nomes palatáveis como "Progressista", pois assim estão repetindo a velha fórmula da imprensa tradicional que tanto repudiam e que se diz isenta para a platéia, mas não o é na prática.

Por que os veículos de esquerda, partidários ou governistas têm dificuldade de se assumirem assim no Brasil. Na Europa e nos EUA, os veículos tem posições ideológicas mais claras e assumidas publicamente.(...) [Fonte: Blogueiros progressistas ou petistas? - por Rubens Filho - Editor do Amigos]
(grifos meus). (Transcrição mais abaixo)

07
Continua no próximo "post" iluminação destes "sugismundos" blogueiros progre$$sitas, com a explicação desta nova grafia.
HR

Matérias transcritas nesta página:

Coluna do Ricardo Setti
[07/12/11]   Me expliquem, que eu quero entender: por que um partido sem votos como o PC do B tem tanta força no governo Dilma

Leia na Fonte: Amigos de Pelotas
[04/06/11]  Blogueiros progressistas ou petistas? - por Rubens Filho, Editor do Amigos

Fonte: Noblat / O Globo - Origem: Veja
[27/06/11]  Nem todos os jornalistas estão à venda


Transcrições:

Coluna do Ricardo Setti
[07/12/11]   Me expliquem, que eu quero entender: por que um partido sem votos como o PC do B tem tanta força no governo Dilma

Amigos, venho escrevendo e repetindo que, para mim, é incompreensível a força que tem no governo Dilma esse partido nanico e sem votos que é o PC do B.

Só na primeira linha do governo, manda no Ministério do Esporte desde o primeiro dia do lulalato, há quase nove anos – e ainda hoje estava lá, na reunião do Rio que acabou se tornando um desagravo ao ilustríssimo ex-presidente da FIFA João Havelange, o atual ministro, Aldo Rebelo, depois que o anterior, Orlando Silva, viu-se catapultado por um escândalo de roubalheira sob suas barbas.

Quem votou no PC do B?

Controla, também, a importantíssima Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com o ex-deputado baiano Haroldo Lima, velho e ferrenho adversário do capitalismo, do lucro e do empresariado num posto em que é vital ter, para o bem do país, boas relações com a iniciativa privada.

E ocupa outras posições mais, mas fiquemos com essas duas.

Pois bem, intrigado há tempos, pedi a minha colaboradora no blog, a incansável Rita de Sousa, que levantasse o TSE quantos votos, afinal, teve o PC do B nas eleições do ano passado para que, fazendo parte da coligação que apoia Dilma, desfrute de tanto poder. Refiro-me a votos que contam, votos conscientes, na legenda, mesmo: os votos para deputado federal.

Sim, porque ninguém que tenha neurônios em ordem vai achar que os 7,7 milhões de votos atribuídos em São Paulo ao cantor Netinho para o Senado – sem que ele chegasse lá – possam ser considerados votos de “comunistas “: ele era um dos dois candidatos de Lula ao Senado e fazia dobradinha com a ex-deputada, ex-prefeita e atual senadora Marta Suplicy, do PT.

O que vale para constatar a identificação dos eleitores com um partido, mais que outras, é a eleição para deputado federal.

Só 1,26% do eleitorado votou nos deputados do PC do B

Pois bem, entre os 111,1 milhões de brasileiros que votaram nas eleições do ano passado, entre 135,8 milhões de eleitores, sabem quantos votos foram para o PC do B?

Exatos 1.487.680.

Ou 1,26% do total.

O PC do B não recebeu um único voto para deputado na Bahia, no Distrito Federal, em Goiás, em Minas, em Mato Grosso do Sul, em Mato Grosso, no Piauí e em Rondônia.

Tem, é verdade, dois senadores em 81 e 14 deputados entre 513.

Só 2 deputados com votação expressiva

Mas não tem votos! Conseguiu a maioria de seus deputados pulando no cangote do PT, em alianças, ou em alianças absurdas como a feita em São Paulo com o PR do cantor Tiririca, que levou para a Câmara o famoso Delegado Protógenes.

O partido não passaria pela “cláusula de barreira” existente em vários países democráticos – quem não tiver um mínimo de 5% dos votos, não pode fazer parte do Legislativo. Razão pela qual, aliás, juntou-se a vários outros pequenos partidos para opor-se ferozmente a esse importante e saneador item de qualquer reforma política decente que se queira promover.

Entre seus 14 deputados, só dois, apenas dois, obtiveram votação que pode ser considerada própria e significativa: Manuela D’Ávila, do Rio Grande do Sul (482.590) e Aldo Rebelo, de São Paulo (132.109).

E, no entanto, está lá, firme, no governo, com um naco importante do poder.

Me expliquem, que eu quero entender.

-------------------------------------------------

Leia na Fonte: Amigos de Pelotas
[04/06/11]  Blogueiros progressistas ou petistas? - por Rubens Filho, Editor do Amigos

Depois da internet, as possibilidades de liberdade, trabalho e negócios aumentaram muito nas comunicações, em favor dos jornalistas. Muitos profissionais que desejavam maior autonomia deixaram os veículos onde trabalhavam e criaram por exemplo blogs próprios. Alguns vendem seu trabalho a veículos, cobrando pela cessão do link para sua página pessoal - produzida, em tese, com maior liberdade. Outros procuram não vincular-se aos veículos tradicionais, mas a outros investidores.

Nesse cenário, surgiu uma turma de jornalistas que se intitula de "Blogueiros Progressistas". Eles se nominam assim, mas no fundo a maioria é ligada ao PT e ao governo. Defendem a sigla e o governo atual em contraposição à "versão da mídia tradicional". É justo que o façam? É.

Mas, sendo assim, mais honesto seria que se chamassem de "Blogueiros Petistas ou Governistas", porque, afinal, progressista não precisa estar no PT. Além disso, se não existe imprensa imparcial, e não existe mesmo, faria bem à democracia se essa turma não se disfarçasse sob nomes palatáveis como "Progressista", pois assim estão repetindo a velha fórmula da imprensa tradicional que tanto repudiam e que se diz isenta para a platéia, mas não o é na prática.

Por que os veículos de esquerda, partidários ou governistas têm dificuldade de se assumirem assim no Brasil. Na Europa e nos EUA, os veículos tem posições ideológicas mais claras e assumidas publicamente.

O Caso Palocci é um exemplo da guerra entre a imprensa tradicional e a progressista. Uns estariam atacando, outros defendendo o ministro. Onde está a verdade? É uma questão difícil. O que sei, por anos de experiência, é que contra certos fatos não há argumento.

A novidade publicada pela revista Veja (que não é santa) neste fim de semana, se for verdade, tem por si só o poder de derrubar o ministro. Palocci viveria numa casa alugada de um laranja - um homem sem condições sequer de pagar sua conta de telefone. Veja o vídeo abaixo e um post mais abaixo.

Em Pelotas, vivemos um exemplo daquele conflito de mídia recentemente. A diferença é que por aqui a "guerra" não é política, mas econômica.

Para sobreviver, a maior parte da nossa mídia evita assuntos delicados sobre seus anunciantes, num mercado restrito. O caso da cobrança de corretagens ilegais por parte de construtoras e imobiliárias é típico. A imprensa tradicional, acostumada às cotas publicitárias do setor, não publicou uma linha do tema. Sequer se permitiu debatê-lo. Pensou no seu caixa, não na sociedade.

Já o Amigos investigou e publicou o assunto. No nosso caso, demos um exemplo de real progressismo, já que em Pelotas a imprensa não tem o hábito de investigar temas "difíceis", sobretudo se desagradam anunciantes. Sendo assim, demos um passo adiante.

Com a internet, a verdade não pode mais ser escondida e, aos poucos, creio que mesmo os veículos que hoje resistem a veiculá-la vão ter que ceder, inclusive por razões comerciais. Lembram-se da Rede Globo no caso do comício das Diretas no Rio? Não queriam dar a notícia, não a deram por vários dias de preparação do evento, mas quando o povo lotou as ruas, a emissora teve de ceder e noticiar.

O Amigos pode fazer jornalismo de verdade entre outras coisas porque a internet é barata. Não dependemos de muitos anunciantes para existir.

O Diário Popular, como se sabe, não cobriu o caso das cobranças de corretagens ilegais. Não desagradou às empresas do setor imobiliário nem a Caixa Econômica Federal, que mantém alguns envolvidos entre seus correspondentes, autorizados a fazer negócios em seu nome. Em compensação, o jornal segue publicando anúncios do setor imobiliário, inclusive da CAIXA, que anuncia hoje um Feirão da Casa Própria, certamente por uma polpuda quantia publicitária.

Qual o preço da verdade numa cidade como a nossa? É uma pergunta a ser respondida pelo leitor. Uma coisa posso garantir. Há jornalismo fora do petismo e fora do "tradicionalismo".

---------------------------------------

Fonte: Noblat / O Globo - Origem: Veja
[27/06/11]  Nem todos os jornalistas estão à venda

Os comandantes da ofensiva contra a liberdade de imprensa ignoram que nem todos os jornalistas estão à venda [Fonte]

Entre uma rodada de palestras financiadas por empresários amigos e uma missa negra pela salvação da pele dos pecadores de estimação, Lula retomou na terceira semana de junho a ofensiva contra a liberdade de imprensa. Coerentemente, a discurseira que tenta estigmatizar o jornalismo independente e faz a louvação da censura, rebatizada pelo PT de “controle social da mídia”, foi ressuscitada no Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, que juntou em Brasília o bando que age na internet a serviço do governo e, sobretudo, do ex-presidente que ainda não desencarnou do Planalto.

“Nunca me preocupei com crítica, mas que elas sejam verdadeiras”, mentiu Lula para a plateia de blogueiros estatizados pelo companheiro Franklin Martins com verbas, empregos e favores providenciados pelo Ministério da Propaganda. “O que me preocupam são as inverdades, como aquela pedra, meteorito, que bateu na cabeça de um candidato na eleição”, voltou a tratar os fatos a socos e pontapés, insistindo em debochar da agressão sofrida pelo candidato tucano José Serra numa passeata no Rio de Janeiro.

Anabolizado por salvas de palmas, o palanque ambulante caprichou nos afagos aos coadjuvantes das sucessivas farsas encenadas para transformar afrontas à democracia em piadas ─ ou para negar que aconteceram. “Vocês evitaram que a sociedade brasileira fosse manipulada como durante muito tempo ela foi manipulada”, inverteu as coisas o falsário patológico. “Vocês evitaram que os falsos formadores de opinião pública ditassem regras do que deveria acontecer no país”.

Nessa versão pilantra, o Brasil escapou de afundar nas fantasias urdidas pela imprensa não domesticada graças aos progressistas eletrônicos ─ uma tribo que agrupa fanáticos estacionados no começo do século 20, exotismos que ainda empunham garruchas da Guerra Fria e ex-jornalistas que arrendaram a alma ao governo para garantir uma velhice poupada ao menos de achaques financeiros. Todos incondicionalmente subordinados ao morubixaba, não acham nada sem prévia autorização, nem ousam pensar por conta própria. Esses requintes são para quem têm autonomia intelectual. Limitam-se a fazer o que o dono ordena.

No Brasil dos blogs governistas, não existem safadezas, roubalheiras, corrupção, ladroagem, quadrilhas federais, nada disso. E o escândalo do mensalão, claro, foi uma invencionice da elite golpista. Nesse país sem pecados, Erenice Guerra é uma dama de reputação ilibada, Antonio Palocci prosperou honestamente, Aloízio Mercadante e seus aloprados jamais fabricaram dossiês, Dilma Rousseff é uma pensadora onisciente, Lula é o gênio da raça e o partido segue honrando a frase recitada por José Dirceu no século passado: “O PT não róba nem deixa robá”.

O inevitável Dirceu apareceu no segundo dia da quermesse em Brasília disposto a explicitar o que o chefe sugerira e, de novo, esvaziar o estoque de bravatas. “É uma vergonha que a regulação da mídia não seja realidade”, irritou-se. “Se o Poder Legislativo é soberano e autônomo, ele fará a reforma”. Se não fizer, avisou o palavrório, terá de haver-se com as tropas do combatente diplomado em Cuba. “Estou disposto a travar essa luta junto com vocês”, avisou o guerrilheiro de festim.

Declarações beligerantes formuladas por Dirceu só conseguem matar de rir. Vencido pelo padeiro de Ibiúna em 1968, pelo medo paralisante nos anos 70, pela própria arrogância no restante do século, ele foi definitivamente derrotado pelo prontuário em 2005. Mas o revolucionário de araque está sempre pronto para perder mais uma. Ele se recusa a morrer antes de monitorar, de preferência instalado no gabinete do ministro da Propaganda, a implantação do controle social da mídia.

Enquanto durasse a experiência liberticida, o que merece ou não virar notícia seria decidido por comitês formados por gente de confiança do governo, como os participantes do encontro em Brasília. “Os blogueiros progressistas não têm rabo preso com ninguém, a não ser com a própria consciência”, garantiu Dirceu. Os que conheci nunca souberam o que é isso. Dependendo do preço, suariam a camisa com o mesmo entusiasmo num campo de concentração nazista ou num gulag soviético.

A recidiva autoritária de Lula e Dirceu foi concebida para inibir os que não se deixam intimidar e açular os blogueiros federais. Além dos incontáveis casos de polícia já eviscerados pela imprensa, vêm aí a Copa da Roubalheira, a Olimpíada da Ladroagem e, antes dos dois espantos, o julgamento da organização criminosa envolvida no mensalão. Para que o governo do padrinho e da afilhada não fique ainda pior no retrato, é essencial reduzir o espaço de quem insiste em contar o caso como o caso foi e ver as coisas como as coisas são.

Os comandantes da ofensiva, intensificada neste fim de semana, vão constatar de novo que manobras liberticidas naufragam já nos primeiros artigos da Constituição. E descobrirão que não são poucos os profissionais que ilustram a lição de Cláudio Abramo: “O jornalismo é, antes de tudo e sobretudo, o exercício cotidiano do caráter”. Jornalistas independentes são prisioneiros voluntários da paixão pela verdade. Enxergam e denunciam delinquências seja qual for a filiação partidária do bandido. Sabem que a liberdade não tem preço. E não estão à venda.