WirelessBRASIL

WirelessBrasil  -->  Bloco Resistência

Esta é a página inicial do Bloco Resistência e contém o índice de "posts" do ano em curso - 2014 - Primeiro semestre

Índice dos anos anteriores:

2009 (2º sem) - 2010 (2º sem) - 2011 (2º sem - 1º sem) - 2012 (2º sem - 1º sem) - 2013 (2º sem - 1º sem)

(EM MANUTENÇÃO!!!!!!!)
Contamos com a compreensão e paciência do leitor.
Obrigado!
HR
12/01/17


"Posts" sobre o mesmo tema colecionados em páginas especiais:

Coleção de "posts" em páginas especiais:

Destaques:

 Revolução de 1964 - Artigos e notícias de jornais da época, dia a dia, durante os 31 dias de Março e os 15 primeiros dias de Abril de 1964

• "Mensalão": registro resumido do dia a dia do julgamento - Atualizado até a seção do encerramento: 53º dia (17/12/12).

Coleção de vídeos da Veja com debates sobre o julgamento do "mensalão


A Comichão da Meia-Verdade

A partilha do butim 

A tropa do BloP - Blogueiros Progressistas

A Turma da Presidenta 

Com ou sem Tiririca, o Congresso pior fica

Controle social da mídia 

Dilma na luta armada 

Discursos e promessas de Dilma 

GOLP - Governo Lula Paralelo

Herança maldita do governo Lula

Inácio, o falastrão 

Mal assessorada, Dilma acende estopim de crise militar

"O Chefe": Livro sobre o escândalo do "mensalão" 

O escândalo do "mensalão" 

"Orvil": A "Comissão da Verdade" do Exército que assombra a esquerda brasileira 

O papel das oposições 

Revolução de 1964 - Os 31 dias de Março e os primeiros dias de Abril (transcrição dos jornais da época, dia a dia) 

Teori Zavascki, novo Ministro do STF

Xô, Dirceu! O povo não esqueceu!


Janeiro de 2014

Em construção


Últimos "posts" de 2013

Novembro 2013

10/11/13
Tudo pelo poder - Editorial Estadão

06/11/13
O gigante continua adormecido - por Marco Antonio Villa

02/11/13
O assédio cubano - por Roberto Lopes

Outubro 2013

22/10/13
"O que Dilma e sua turma conseguiram fazer com o Brasil não é para leigos. Como arrebentar as finanças públicas com politicagem e trazer de volta a inflação, sem que uma única e miserável passeata identifique seu crime e peça sua cabeça? É coisa de gênio - só estudando muito mesmo."

08/10/13
Dilma em campanha, "tratorando" as oposições. Governar que é bom...

07/10/13
Educação: Nosso calcanhar de Aquiles

03/10/13
Muita política, pouca saúde - Editorial Estadão

02/10/13
Na cidade de S. Paulo "Minha Casa Minha Vida" é só para petistas militantes

01/10/13
O que pode ser feito? - por Rodrigo Constantino





Esta é uma área temporária de trabalho de reorganização do Bloco Cidadania (Resistência).
Contamos com a compreensão e paciência do leitor.
Obrigado!
HR
12/01/17

-----------------------------------------------------------

A CONSTITUIÇÃO do historiador Capistrano de Abreu

João Capistrano Honório de Abreu foi um um dos primeiros grandes historiadores do Brasil e produziu ainda nos campos da etnografia e da linguística. Wikipédia
*Nascimento: 23 de outubro de 1853, Maranguape, Ceará
*Falecimento: 13 de agosto de 1927, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

“Art. 1º:
TODO BRASILEIRO DEVE TER VERGONHA NA CARA.
PARÁGRAFO ÚNICO:
REVOGAM-SE AS DISPOSIÇÕES EM CONTRÁRIO”


Leia na Fonte: Estadão
[31/08/16]  O fim do torpor - Editorial

O impeachment da presidente Dilma Rousseff será visto como o ponto final de um período iniciado com a chegada ao poder de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, em que a consciência crítica da Nação ficou anestesiada.

A partir de agora, será preciso entender como foi possível que tantos tenham se deixado enganar por um político que jamais se preocupou senão consigo mesmo, com sua imagem e com seu projeto de poder; por um demagogo que explorou de forma inescrupulosa a imensa pobreza nacional para se colocar moralmente acima das instituições republicanas; por um líder cuja aversão à democracia implodiu seu próprio partido, transformando-o em sinônimo de corrupção e de inépcia. De alguém, enfim, cuja arrogância chegou a ponto de humilhar os brasileiros honestos, elegendo o que ele mesmo chamava de “postes” – nulidades políticas e administrativas que ele alçava aos mais altos cargos eletivos apenas para demonstrar o tamanho, e a estupidez, de seu carisma.

Muito antes de Dilma ser apeada da Presidência já estava claro o mal que o lulopetismo causou ao País. Com exceção dos que ou perderam a capacidade de pensar ou tinham alguma boquinha estatal, os cidadãos reservaram ao PT e a Lula o mais profundo desprezo e indignação. Mas o fato é que a maioria dos brasileiros passou uma década a acreditar nas lorotas que o ex-metalúrgico contou para os eleitores daqui. Fomos acompanhados por incautos no exterior.

Raros foram os que se deram conta de seus planos para sequestrar a democracia e desmoralizar o debate político, bem ao estilo do gangsterismo sindical que ele tão bem representa. Lula construiu meticulosamente a fraude segundo a qual seu partido tinha vindo à luz para moralizar os costumes políticos e liderar uma revolução social contra a miséria no País.

Quando o ex-retirante nordestino chegou ao poder, criou-se uma atmosfera de otimismo no País. Lá estava um autêntico representante da classe trabalhadora, um político capaz de falar e entender a linguagem popular e, portanto, de interpretar as verdadeiras aspirações da gente simples. Lula alimentava a fábula de que era a encarnação do próprio povo, e sua vontade seria a vontade das massas.

O mundo estendeu um tapete vermelho para Lula. Era o homem que garantia ter encontrado a fórmula mágica para acabar com a fome no Brasil e, por que não?, no mundo: bastava, como ele mesmo dizia, ter “vontade política”. Simples assim. Nem o fracasso de seu programa Fome Zero nem as óbvias limitações do Bolsa Família arranharam o mito. Em cada viagem ao exterior, o chefão petista foi recebido como grande líder do mundo emergente, mesmo que seus grandiosos projetos fossem apenas expressão de megalomania, mesmo que os sintomas da corrupção endêmica de seu governo já estivessem suficientemente claros, mesmo diante da retórica debochada que menosprezava qualquer manifestação de oposição. Embalados pela onda de simpatia internacional, seus acólitos chegaram a lançar seu nome para o Nobel da Paz e para a Secretaria-Geral da ONU.

Nunca antes na história deste país um charlatão foi tão longe. Quando tinha influência real e podia liderar a tão desejada mudança de paradigma na política e na administração pública, preferiu os truques populistas. Enquanto isso, seus comparsas tentavam reduzir o Congresso a um mero puxadinho do gabinete presidencial, por meio da cooptação de parlamentares, convidados a participar do assalto aos cofres de estatais. A intenção era óbvia: deixar o caminho livre para a perpetuação do PT no poder.

O processo de destruição da democracia foi interrompido por um erro de Lula: julgando-se um kingmaker, escolheu a desconhecida Dilma Rousseff para suceder-lhe na Presidência e esquentar o lugar para sua volta triunfal quatro anos depois. Pois Dilma não apenas contrariou seu criador, ao insistir em concorrer à reeleição, como o enterrou de vez, ao provar-se a maior incompetente que já passou pelo Palácio do Planalto.

Assim, embora a história já tenha reservado a Dilma um lugar de destaque por ser a responsável pela mais profunda crise econômica que este país já enfrentou, será justo lembrar dela no futuro porque, com seu fracasso retumbante, ajudou a desmascarar Lula e o PT. Eis seu grande legado, pelo qual todo brasileiro de bem será eternamente grato.


• "Roubar e deixar roubar"

Nota de Helio Rosa:
Por oportuno, volta mais uma vez ao topo desta coluna uma recorrente  referência ao Blog do Noblat.

Entre os mais renomados articulistas e blogueiros dos grandes portais, nenhum foi tão explícito como Noblat (foto):
"O indicado assume seu cargo sabendo que o usará para roubar e deixar roubar."
Parabéns, Ricardo Noblat!
HR


Leia na Fonte: Blog do Noblat

[29/07/15]  O loteamento de cargo público só serve ao roubo  - por Ricardo Noblat (transcrição parcial)

"Sempre que você ouvir falar que tal partido ou tal político indicou o ocupante de determinado cargo público, tenha certeza: foi para roubar que ele indicou.

(...) "O prestígio ainda move o interesse do político em empregar afilhados. Mas há muito que deixou de ser o mais importante.
"O roubo é o mais importante. O indicado assume seu cargo sabendo que o usará para roubar e deixar roubar.
Ele foi posto ali para desviar recursos públicos, cobrar comissões de fornecedores e arrancar doações legais ou ilegais para o partido do seu padrinho
."(...)

(...) O presidente da República que promove o loteamento de cargos públicos é conivente com a corrupção. Porque está cansado de saber para quê o loteamento serve.
Ou você imagina que Lula não sabia que os diretores da Petrobras nomeados por ele foram postos ali para servir a seus padrinhos?
Ou imagina que Dilma, a inocente, não sabe que o setor elétrico, tão caro a ela, é uma fonte inesgotável de recursos para o PMDB?
(...)
"Basta de tanto cinismo.
Sérgio Moro em cima de toda essa gente!"
Ricardo Noblat
HR


’10 medidas contra a corrupção’
Iniciativa dos procuradores da República que integram a força-tarefa da Lava Jato, endossada pela Procuradoria-Geral da República.

Leia na Fonte: G1
[14/06/16]  Câmara cria comissão para discutir combate à corrupção
"Propostas do Ministério Público receberam mais de 2 milhões de assinaturas.(...)

1) Prevenção à corrupção, transparência e proteção à fonte de informação
Dentre as propostas sugeridas estão: testes de integridade – sem o conhecimento do agente público ou funcionário – que simulem situações para avaliar conduta moral moral e predisposição para cometer crimes contra a Administração Pública; o investimento de 10% a 20% dos recursos de publicidade dos órgãos públicos em ações voltadas ao estabelecimento de uma cultura de intolerância à corrupção, treinamento de funcionários públicos, realização de programa de conscientização em universidades; estímulo à denúncia de casos de corrupção, além de tornar obrigatória a prestação de contas do Judiciário e do Ministério Público sobre duração dos processos que ultrapassem o prazos razoáveis de duração

2) Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos
Estabelecimento de penas de três a oito anos para crimes de enriquecimento ilícito, passíveis de alteração no caso de delitos menos graves. Caberá, no entanto, à acusação provar a existência de renda discrepante da fortuna acumulada pelo agente público. Se houver dúvida quanto à ilegalidade da renda, o suspeito será absolvido

3) Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores
Os procuradores propõem o aumento das penas para corrupção, que hoje são de 2 a 12 anos, para de 4 a 12 anos. Com isso, a prática do crime de corrupção passa a implicar, no mínimo, prisão em regime semiaberto. A pena estaria escalonada segundo o valor envolvido no crime, podendo variar de 12 a 25 anos, quando os valores desviados ultrapassem R$ 8 milhões.

4) Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal
Com o objetivo de aumentar a rapidez na tramitação de recursos sem prejudicar o direito de defesa, a medida propõe alterações no Código de Processo Penal (CPP) e uma emenda constitucional. As mudaças incluem a possibilidade de execução imediata da condenação quando o tribunal reconhece abuso do direito de recorrer; a revogação dos embargos infringentes e de nulidade; a extinção da figura do revisor; a vedação dos embargos de declaração; a simultaneidade do julgamento dos recursos especiais e extraordinários; novas regras para habeas corpus; e a possibilidade de execução provisória da pena após julgamento de mérito do caso por tribunal de apelação

5) Celeridade nas ações de improbidade administrativa
Dar mais agilidade à fase inicial das ações de improbidade administrativa com a adoção de uma defesa inicial única (hoje ela é duplicada), após a qual o juiz poderá extinguir a ação caso seja infundada. Além disso, sugere-se a criação de varas, câmaras e turmas especializadas para julgar ações de improbidade administrativa e ações decorrentes da lei anticorrupção. Por fim, propõe-se que o MPF firme acordos de leniência, como já ocorre no âmbito penal (acordos de colaboração), para fins de investigação.

6) Reforma no sistema de prescrição penal
Com o objetivo de corrigir distorções do sistema, as mudanças envolvem a ampliação dos prazos da prescrição da pretensão executória e a extinção da prescrição retroativa (instituto que só existe no Brasil e que estimula táticas protelatórias).

7) Ajustes nas nulidades penais
Ampliar a preclusão (perda do direito de recorrer a uma sentença por estar fora do prazo legal) de alegações de nulidade; condicionar a superação de preclusões à interrupção da prescrição a partir do momento em que a parte deveria ter alegado o problema e se omitiu; estabelecer, como dever do juiz e das partes, o aproveitamento máximo dos atos processuais e exigir a demonstração do prejuízo gerado por um defeito processual

8) Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa 2
Esta medida visa responsabilizar os partidos políticos pelas práticas corruptas, criminalizar o caixa 2 (contabilidade paralela) e criminalizar, no âmbito eleitoral, a lavagem de dinheiro proveniente de infração penal, de fontes de recursos vedadas pela legislação eleitoral ou que não tenham sido contabilizados conforme o exigido pela legislação

9) Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado
Tornar possível a prisão preventiva para que se possa identificar e localizar os valores desviados, assegurar a sua devolução ou evitar que sejam utilizados para financiar a fuga ou defesa dos investigados. Essa medida também propõe mudanças para que o dinheiro sujo seja rastreado mais rapidamente, facilitando tanto as investigações como o bloqueio de bens obtidos ilicitamente.

10) Recuperação do lucro derivado do crime
Criação de medida que permita confiscar a parte do patrimônio do condenado que corresponda à diferença entre o patrimônio de origem comprovadamente lícita e o patrimônio total. Outro ponto dessa proposta visa possibilitar o confisco dos bens de origem ilícita, independentemente da responsabilização do autor dos fatos ilícitos, que pode não ser punido por não ser descoberto, por falecer ou em decorrência de prescrição.

Visite o site oficial


Forme sua opinião
• Cancelamento do registro civil e do estatuto de Partido Político

Nota de Helio Rosa
Por oportuno, volto a transcrever mais abaixo trecho da Lei 9096 de 1995 que trata das situações em que um partido político pode ter cancelados seu registro civil e estatuto.

Como curiosidade, está em andamento uma petição pública visando o cancelamento do registro de todos os partidos participantes do Foro de São Paulo e consequentemente a anulação das eleições de 2014. Ver conteúdo a partir deste link.
HR

Cancelamento do registro civil e do estatuto de Partido Político (trecho da Lei)

LEI Nº 9.096, DE 19 DE SETEMBRO DE 1995
Dispõe sobre partidos políticos, regulamenta os arts. 17 e 14, § 3º, inciso V, da Constituição Federal.

(...)
CAPÍTULO VI
Da Fusão, Incorporação e Extinção dos Partidos Políticos

Art. 27. Fica cancelado, junto ao Ofício Civil e ao Tribunal Superior Eleitoral, o registro do partido que, na forma de seu estatuto, se dissolva, se incorpore ou venha a se fundir a outro.

Art. 28. O Tribunal Superior Eleitoral, após trânsito em julgado de decisão, determina o cancelamento do registro civil e do estatuto do partido contra o qual fique provado:

I - ter recebido ou estar recebendo recursos financeiros de procedência estrangeira;

II - estar subordinado a entidade ou governo estrangeiros;

III - não ter prestado, nos termos desta Lei, as devidas contas à Justiça Eleitoral;

IV - que mantém organização paramilitar.

§ 1º A decisão judicial a que se refere este artigo deve ser precedida de processo regular, que assegure ampla defesa.

§ 2º O processo de cancelamento é iniciado pelo Tribunal à vista de denúncia de qualquer eleitor, de representante de partido, ou de representação do Procurador-Geral Eleitoral.

(...)
Ler mais
: LEI Nº 9.096, DE 19 DE SETEMBRO DE 1995
HR

Alguns textos sobre o tema:

Leia na Fonte: O Antagonista
[15/06/16]  A bancarrota do PT
"O PT será extinto.
Quantas vezes já repetimos isso?
Mas é o que vai ocorrer.
O Valor, nesta quarta-feira, publica aquilo que estamos antecipando desde o ano passado, e que foi confirmado por Deltan Dallagnol no Manhattan Connection:
“O PP, PT e PMDB, principais partidos envolvidos no escândalo da Petrobras, deverão ser alvo de uma ação de improbidade administrativa que vai requerer o pagamento de indenização e multa civil para reparar os prejuízos causados pelo esquema de corrupção.
A ação, que está em fase de elaboração pelos procuradores da Lava Jato que atuam na primeira instância da Justiça Federal, deverá ser ‘conservadora’. Ela levará em conta exclusivamente o total de dinheiro desviado da Petrobras já calculado e comprovado por documentos obtidos pelos investigadores e entregues pelos mais de 70 delatores da investigação”.
Quanto?
“Laudo da PF já indicou que cerca de R$ 19 bilhões podem ter sido roubados dos cofres da estatal”."

Leia na Fonte: O Antagonista
[15/06/16]  A bancarrota do PT (e do PMDB e do PP)
“A ação de improbidade contra PT, PMDB e PP terá em seu escopo os totais de desvios envolvendo a corrupção, o pagamento de caixa dois e ainda as doações às legendas registradas na Justiça Eleitoral”, informa o Valor.
Também constará, claro, “o total de dinheiro originado na corrupção e pago no exterior, por meio de operações complexas para mascarar a origem dos recursos”.
A reportagem diz que “os partidos políticos estão sujeitos à responsabilização por improbidade, porque recebem Fundo Partidário. Ele é composto, em grande parte, por valores de origem pública”.

Leia na Fonte: O Antagonista
[14/06/16]  Não é possível que o PT continue existindo
"O ministro Alexandre de Moraes liquidou a proposta de José Dirceu de fazer um acordo de leniência partidário:
"Acho que é importante, por um lado, admitir as práticas ilícitas que acabaram ocorrendo, mas não é possível que um partido político, que recebe dinheiro público, financiamento público, faça uma leniência e continue existindo, porque a penalidade para a prática desses crimes que seriam confessados, a penalidade é a extinção [do partido]".
Exatamente.
José Dirceu só pode obter algum desconto da pena se confessar todos os seus crimes. E o PT tem de ser extinto."

Nota de Helio Rosa: Em 13 de junho de 2016 o JB publicou que Dirceu negou que tenha sugerido um acordo de leniência partidária.

Leia na Fonte: Gazeta do Povo
[15/02/16]  MPF estuda a responsabilização de partidos políticos por prejuízo à Petrobras - por Kelli Kadanus e Katna Baran


Forme sua opinião
Lula, o Operador

Nota de Helio Rosa:
Estou atualizando a coleção de matérias sobre o possível tráfico de influência praticado por Lula no seu relacionamento com empreiteiras e empresas, assim como textos sobre outros processos em curso, envolvendo o ex-presidente.

O website/arquivo do WirelessBRASIL Lula, o Operador - possui uma página inicial e um índice de artigos e notícias que remete às transcrições, com os devidos créditos.


• Instituto Lula

Nota de Helio Rosa;
Por oportuno, retorna como destaque desta coluna uma garimpagem que fiz nos "arquivos implacáveis" do WirelessBRASIL. Transcrevo abaixo parte do conteúdo do "post" de número  18, de uma série que publiquei em 2010 com o título de GOLP - Governo Lula Paralelo.
Na época, copiei a matéria do website do Instituto Lula, mas hoje o link está descontinuado.

Leia na Fonte: Instituto Lula
[16/08/11]   Conheça os fundadores do Instituto Lula

Veja abaixo quem são os sócios fundadores do Instituto Lula, que sucede o Instituto Cidadania e foi criado formalmente na última segunda-feira (15/08/11).

Consulte a Fonte para ver a imagem ampliada - Foto: Ricardo Stuckert/IC

1 – Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República
2 – Marisa Letícia Lula da Silva, ex-primeira-dama
3 – Arlindo Chinaglia, ex-presidente da Câmara dos Deputados
4 – Clara Ant, ex-deputada estadual e ex-assessora da Presidência
5 – Devanir Ribeiro, deputado federal (PT-SP)
6 – Donizete Fernandes, da União Nacional de Moradia Popular
7 – Elisângela dos Santos Araújo, Coordenadora-geral da Fetraf
8 – Flávio Jorge Rodrigues da Silva, diretor da Fundação Perseu Abramo e membro da direção da Coordenação Nacional das Entidades Negras – CONEN
9 – Francisco Menezes, do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas
10 – Franklin Martins, ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social
11 – José Alberto de Camargo, empresário
12 – José de Filippi Jr, deputado federal (PT-SP)
13 – Lindbergh Farias, senador (PT-RJ)
14 – Luís Henrique da Silva, do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis
15 – Luiz Soares Dulci, ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência
16 – Márcia Helena Carvalho Lopes, ex-ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome
17 – Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça
18 – Maria Victória Benevides, cientista política
19 – Marilena Chaui, filósofa
20 – Miguel Jorge, ex-ministro do Desenvolvimento
21 – Ottoni Fernandes Jr, ex-secretário-adjunto de Comunicação da Secretaria de Comunicação da Presidência
22 – Paulo Tarciso Okamotto, ex-presidente do Sebrae
23 – Paulo Vanucchi, ex-ministro da Secretaria de Direitos Humanos
24 – Pedro Paulo Martoni Branco, economista e diretor do Instituto Via Pública
25 – Sérgio Resende, ex-ministro de Ciência e Tecnologia
26 – Severine Macedo, secretária nacional de juventude do PT
27 – Walfrido dos Mares Guia, ex-ministro do Turismo
28 – Wander Bueno do Prado, conhece Lula desde o movimento sindical, trabalhou na organização das Caravanas da Cidadania

Sócios fundadores que não estão na foto:

- Alberto Ercílio Broch, presidente da Contag
- Aloizio Mercadante Oliva, ministro de Ciência e Tecnologia
- Artur Henrique da Silva Santos, presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores)
- Celso Amorin, ministro da Defesa e ex-ministro das Relações Internacionais de Lula
- João Antônio Felício, secretário de Relações Internacionais da CUT
- Juvândia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo
- Nilcéa Freire, ex-ministra de Secretaria de Políticas para as Mulheres
- Roberto Teixeira, advogado
- Rui Falcão, presidente do PT
- Sérgio Nobre, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
HR
[09/08/15]


Forme sua opinião
Impedimento e vacância


Nota de Helio Rosa
01.
Organizei um "website/arquivo" para colecionar matérias sobre o impeachment de Dilma Rousseff.  Está aqui: Impedimento e vacância.  Há uma página inicial e um índice de artigos e notícias que remete à um arquivo com as transcrições das matérias.
02.
O que está acontecendo (resumo):

Leia na Fonte: Wikipédia
[23/05/16]  Processo de impeachment de Dilma Rousseff

(...) O processo de impeachment de Dilma Rousseff consiste em uma questão processual aberta com vistas ao impedimento da continuidade do mandato de Dilma Rousseff como a Presidente da República do Brasil.

O processo iniciou-se com a aceitação, em 2 de dezembro de 2015, pelo Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de denúncia por crime de responsabilidade oferecida pelo procurador de justiça aposentado Hélio Bicudo e pelos advogados Miguel Reale Júnior e Janaina Paschoal.

As acusações versam sobre desrespeito à lei orçamentária e à lei de improbidade administrativa por parte da presidente, além de lançarem suspeitas de envolvimento da mesma em atos de corrupção na Petrobras, que têm sido objeto de investigação pela Polícia Federal, no âmbito da Operação Lava Jato.[4] Há, no entanto, juristas que contestam a denúncia dos três advogados, afirmando que as chamadas "pedaladas fiscais" não caracterizam improbidade administrativa e que não existe qualquer prova de envolvimento da presidente em crime doloso que possa justificar o impeachment.

A partir da aceitação do pedido, formou-se uma comissão especial na Câmara dos Deputados, a fim de decidir sobre sua admissibilidade. O roteiro começou com os depoimentos dos autores do pedido e teve seguimento com a apresentação da defesa de Dilma. Enquanto isso, manifestações de rua contra e a favor do impedimento ocorriam periodicamente em todo o país.

O relatório da comissão foi favorável ao impedimento da presidente Dilma: 38 deputados aprovaram o relatório e 27 se manifestaram contrários.

Em 17 de abril, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o relatório com 367 votos favoráveis e 137 contrários.

O parecer da Câmara foi imediatamente enviado ao Senado, que também formou a sua comissão especial de admissibilidade, cujo relatório foi aprovado por 15 votos favoráveis e 5 contrários.

Em 12 de maio o Senado aprovou, por 55 votos a 22, a abertura do processo, afastando Dilma da presidência até que o processo seja concluído. (...)

Leia na Fonte: O Antagonista
[04/08/16]  Impeachment: o que virá depois do dia 9 de agosto

Com o relatório de Antonio Anastasia aprovado também pelo plenário do Senado, na madrugada do dia 10, o processo de impeachment de Dilma Rousseff entrará, finalmente, na reta final.

- A acusação terá 48 horas para apresentar o chamado "libelo acusatório", ou seja, as alegações finalíssimas. Os autores do pedido de impeachment já informaram que usarão metade desse tempo;

- Depois, mais 48 horas para JEC e a bancada do jardim de infância protagonizarem o choro final, com direito a seis testemunhas (eles queriam 20);

- Ricardo Lewandowski será o responsável por intimar as partes e as testemunhas, além de, por fim, marcar o julgamento derradeiro, respeitando um prazo de até 10 dias a contar da entrega do "libelo" por parte da defesa.
Dando tudo certo, a sessão do adeus definitivo poderá começar no dia 24 de agosto.

04.
Texto parcial coletado na mídia, como ambientação:

(...) Vacância é quando o presidente fica impedido temporariamente (essa é a palavra chave) de exercer a presidência da Republica.
 
A sucessão ocorre nos casos em que a impossibilidade de exercício do cargo é permanente, seja pela morte, pela renúncia, pelo impeachment ou por qualquer outra razão que impeça o presidente de retornar ao exercício efetivo de seu mandato.

Os casos de Tancredo Neves e Fernando Collor foram de sucessão. Nesses casos – sucessão – o vice-presidente da República assume (Sarney e Itamar, lembram-se?).

E se ele (vice) não puder assumir, tem-se uma nova eleição para a presidente da República. Ou seja, o presidente do Senado jamais sucede o presidente da República. O presidente do Senado substitui o presidente da República quando este está impedido (ou seja, quando o presidente da República continua presidente, mas temporariamente impossibilitado de exercer a presidência, como quando ele está fora do pais ou quando ele está se submetendo a um cirurgia, ou quando ele está sob poder das forças armadas de outro país etc).

Nos casos de impedimento, o presidente do Senado é o terceiro – e não o segundo – na linha de substituições.
O primeiro na linha de substituições é o vice-presidente da República. Mas se este também estiver impedido, o segundo é o presidente da Câmara dos Deputados. Só no caso de este também estar impedido é que o presidente do Senado assume temporariamente a presidência da República. Logo, ele é o terceiro.
O quarto na linha de substituições é o presidente do STF.
(Ler íntegra)

HR
23/05/16

==> Veja coleção completa de matérias website/arquivo Impedimento e vacância em  Índice de artigos e notícias


Forme sua opinião
As Contas de Dilma - As graves irregularidades e as "pedaladas fiscais"

Nota de Helio Rosa:
Coleciono, no "website/arquivo" As Contas de Dilma do WirelessBRASIL uma  seleção de matérias sobre o tema "Pedaladas Fiscais".

"Pedaladas"
Resumo dos eventos recentes:

"Atrasos propositais.
As pedaladas fiscais foram os atrasos propositais do Tesouro Nacional no repasse de recursos públicos para bancos e autarquias de forma a melhorar artificialmente as contas públicas. Ao apresentar despesas federais menores do que deveriam ser, devido aos atrasos, o Tesouro esperava melhorar o humor do mercado."

Em 15 de abril de 2015 o plenário do TCU (Tribunal de Contas da União) aprovou, por unanimidade, relatório que considera as manobras fiscais realizadas pelo Tesouro com dinheiro de bancos públicos federais como crime de responsabilidade. Dezessete autoridades do governo terão que apresentar, em 30 dias improrrogáveis, explicações ao tribunal para as irregularidades apontadas no relatório.

Em 17 de junho de 2015 o TCU adiou seu parecer sobre as contas do governo em 2014 e, numa decisão inédita, fixou prazo de 30 dias para que a presidente Dilma Rousseff explique as irregularidades apontadas pela área técnica da corte.

Em 22 de julho de 2015 o Governo entrega ao TCU sua defesa referente ao processo das 'pedaladas fiscais'. Consta que o parecer final será emitido no final do mês de agosto.

Em 12 de agosto de 2015 o "Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu dar mais 15 dias para que a presidente Dilma Rousseff apresente novos esclarecimentos sobre as contas do governo federal de 2014, referente a irregularidades apontadas pela corte e que não foram incluídas, num primeiro momento, no processo que analisa as chamadas “pedaladas fiscais”. Inicialmente, o relator do processo, ministro Augusto Nardes, havia proposto um prazo de 10 dias, mas resolveu acatar a sugestão dos demais ministros para estender o prazo."

Em 27 de agosto de 2015 o governo ganho mais 15 dias para entrega das novas explicações. O relator Augusto Nardes deixou para os ministros do TCU a decisão sobre o pedido de novo prazo. E todos os ministros concordaram em dar mais tempo para o governo se explicar.

Em 11 de setembro de 2015 o governo entregou ao TCU as novas explicações.

Em 07 de outubro de 2015 o Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitou as contas do governo Dilma Rousseff relativas ao ano passado. Por unanimidade, os ministros entenderam que o balanço apresentado pela União continha irregularidades que feriram preceitos constitucionais, a Lei Orçamentária e a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em 14 de outubro de 2015 "a Secretaria-Geral do Congresso Nacional confirmou a chegada do acórdão do processo de reprovação das contas do governo em 2014 pelo Tribunal de Contas da União (TCU)".

Em 09 de dezembro de 2015 o Tribunal de Contas da União (TCU) negou o recurso apresentado pelo governo Dilma Rousseff no caso das chamadas "pedaladas fiscais". Na prática, a Corte consolidou o entendimento de que o governo cometeu uma infração grave à Lei de Responsabilidade Fiscal.

==> Leia mais no website/arquivo do WirelessBRASIL: As Contas de Dilma


Forme sua opinião
Operação Porto Seguro

• Rosemary Noronha & Lula da Silva: Uma vergonha!

Nota de Helio Rosa:
Estou colecionando matérias sobre a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, num "website/arquivo" constituído de uma Página Inicial com um Resumo e o Acompanhamento dos principais eventos ao longo do tempo, e de um Índice de artigos e notícias que remete à uma coleção de transcrições, com os devidos créditos.

Em 23 de março de 2013 iniciei uma série de 11 "posts" no Bloco  Resistência sobre a Operação Porto Seguro. O registro está aqui.
Minha motivação foi esta matéria: "Faz 100 dias que Lula afronta o Brasil decente com o silêncio sobre o caso de polícia em que se meteu ao lado de Rose".
Por falta de agilidade, descontinuei os "posts" mas prossegui anotando as matérias sobre o assunto, que posteriormente foram reunidas no citado "website/arquivo" com o mesmo título dos "posts": Rosemary Noronha & Lula da Silva: Uma vergonha!

A explicação do título está nesta frase: "O executivo conta que, contrariada, Rose ligou para executivos para cobrar explicações e reafirmou o que a amiga havia dito: “Eu sou a namorada do Lula”. [Ler íntegra da matéria na Revista Época].
HR

Últimos registros:
Leia na Fonte: O Antagonista

[05/08/16]  Rosemary ganhou apartamento da Bancoop

Leia na Fonte: Diário do Sertão
[07/06/16]  Amante de Lula pagou conta de ‘motel’ com cartão corporativo do Brasil

Leia na Fonte: O Antagonista
[04/06/16]  Mesada para Rosemary

Leia na Fonte: Estadão
[05/05/16]  TJ impede acesso a sigilo de gastos de ex-amiga íntima de Lula

Leia na Fonte: O Antagonista
[22/03/16]  Exclusivo: O duplex da filha de Rosemary Noronha

Leia na Fonte: Veja
[17/03/16]  Relatório da PF mostra que Rose Noronha, amiga íntima de Lula, viajou 13 vezes para o exterior na companhia dele

==> Leia mais no "website/arquivo" do WirelessBRASIL:
Rosemary Noronha & Lula da Silva: Uma vergonha!


Jornal "O Estado de S. Paulo"

==> Editoriais e textos de opinião do Estadão

==> Colunistas do Estadão


Jornal O Globo - Editoriais, Colunas e Artigos



==> Ler editoriais, colunas e artigos em O Globo

==> Ler últimos "posts" dos Blogs hospedados no O Globo


Forme sua opinião
Conheça os registros da Wikipédia sobre os Ministros do STF:

Ministro Ricardo Lewandowski - Presidente

Ministra Cármen Lúcia - Vice-Presidente

Ministro Celso de Mello - Decano
 
Ministro Marco Aurélio

Ministro Gilmar Mendes
 
Ministro Dias Toffoli

Ministro Luiz Fux

Ministra Rosa Weber

Ministro Teori Zavascki

Ministro Roberto Barroso

Ministro Edson Fachin

==> Ler mais no Portal do STF


Textos de Merval Pereira

Merval Pereira é jornalista e colunista do jornal "O Globo", comentarista da TV Globo News e da rádio CBN, é membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) e do conselho editorial das Organizações Globo. Fez parte do primeiro conselho editorial do jornal “Valor Econômico”. Foi diretor de jornalismo de mídia impressa 'e rádio das Organizações Globo. Trabalhou na revista “Veja”, como chefe das sucursais de Brasília e Rio de Janeiro, como editor nacional em São Paulo e foi editor-executivo do “Jornal do Brasil”. Ler mais Perfil.

==>Visite o Blog do Merval


 Blog do Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo (foto) foi redator-chefe das revistas Primeira Leitura e Bravo!, editor-adjunto de política da Folha de S. Paulo, coordenador de política da sucursal de Brasília do mesmo jornal e redator-chefe do jornal Diário do Grande ABC, de Santo André, entre 1991 e 1993. Foi articulista da revista Veja até 7 de outubro de 2009, quando escreveu seu último artigo para a revista. Hoje, mantém um blog hospedado no site da Veja com cerca de 150.000 acessos diários. Pelo Twitter é seguido por aproximadamente 100 mil pessoas. Ler mais Perfil na Wikipédia.

==> Visite o Blog do Reinaldo Azevedo.


• Textos de Eliane Catenhêde

Eliane Cantanhêde (foto) é jornalista especializada em política, escreve sobre os principais assuntos do cenário político brasileiro, política externa, defesa e comportamento. É um dos comentaristas do programa GloboNews 'Em Pauta' a partir da capital federal. Trabalhou por 17 anos na Folha de S.Paulo, onde assinou a coluna “Brasília”. Passou por Jornal do Brasil, Veja, O Globo e hoje está no O Estado de S.Paulo. É autora de três livros e TOP 50-2014: classificada entre os 50 mais admirados jornalistas brasileiros. Ler mais Perfil. Suas colunas no Estadão estão aqui. Catanhêde participa do Rádio Estadão., TV Estadão e "GloboNews Em pauta".

==> Ler textos de Dora Kramer nas Colunas do Estadão.


Textos de Dora Kramer

Dora Maria Tavares de Lima Kramer (foto), começou a carreira aos 18 anos, quando ainda cursava Jornalismo, escrevendo para o extinto Diário Popular (SP). Após passagem pela Agência Folha (SP), foi repórter de O Estado de São Paulo (SP) na década de 80.
Nos anos 90, foi trabalhar na sucursal brasiliense do jornal, focando ainda mais a carreira em cobertura política. Nesse período, publicou, junto com Pedro Collor de Mello, o livro Passando a limpo – a trajetória de um farsante (Record, 1992), que se tornou um best-seller. Ler mais Perfil

==> Ler textos de Dora Kramer nas Colunas do Estadão.


Textos de José Roberto de Toledo

José Roberto de Toledo é jornalista. Colunista e blogueiro na O Estado de S.Paulo, criou e coordena o ‘Estadão Dados’, é presidente na Abraji - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Foi colunista do Estadão e comentarista da RedeTV!. Antes trabalhou por 13 anos na Folha de S.Paulo, período em que foi editor de economia. Por 11 anos dirigiu a ‘PrimaPagina’. José Roberto Toledo formado em Jornalismo, Escola de Comunicação e Arte, ECA, Universidade de São Paulo, USP/SP é repórter e editor desde 1986, especializado em reportagem com auxílio do computador (RAC/CAR), jornalismo de dados e pesquisas de opinião. Ler mais Perfil.

==> Ler textos de José Roberto de Toledo nas Colunas do Estadão.


Coluna do Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino (foto) é Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Colaborador do jornal O GLOBO. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Leia na Fonte: Pragmatismo
[06/10/15]    Veja demite blogueiro Rodrigo Constantino

==> Ler textos e "posts" no Blog do Rodrigo Constantino


Um resumo, para entender as origens da crise atual
Leia na Fonte: Blog de Adolfo Sachsida
[08/07/14]  O Que é a Nova Matriz Econômica? - por Adolfo Sachsida

Durante o governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso estabeleceu-se o tripé econômico:
- responsabilidade fiscal,
- sistema de metas de inflação, e
- taxa de câmbio flutuante.

Sem sombra de dúvidas, o tripé econômico deu estabilidade e confiança ao crescimento da economia brasileira. Quando falo de crescimento, falo no sentido de longo prazo, me refiro ao crescimento sustentável de longo prazo.

O tripé econômico não era a pedra filosofal, não transformava chumbo em ouro, mas garantia estabilidade econômica enquanto outras reformas iam sendo realizadas. Em 27 de maio de 2010 eu escrevi uma carta ao futuro presidente do Brasil. Nela lia-se:

"Assim, os signatários dessa carta deixam claro que antes que mudanças sejam propostas no tripé econômico, outras reformas devem ser realizadas: reforma tributária, reforma fiscal, reforma trabalhista e reforma da previdência são temas muito mais urgentes para o debate nacional. De maneira alguma dizemos que o tripé econômico atual seja isento de imperfeições. Alegamos apenas que reformas muito mais urgentes devem ser implementadas antes que mudanças no tripé econômico atual sejam levadas a cabo".

Infelizmente o governo da Presidente Dilma Roussef ignorou a sugestão acima. Verdade seja dita, o segundo governo Lula já vinha abandonando o tripé econômico. Em seu lugar implementou-se a "Nova Matriz Econômica".

A Nova Matriz Econômica era caracterizada por:
- expansão fiscal (estímulos),
- crédito abundante a juros subsidiados, e
- taxa de câmbio controlada.

A rigor era o abandono, na prática, do tripé econômico. Substituiu-se a responsabilidade fiscal pela expansão fiscal. No lugar do sistema de metas de inflação, optou-se por uma tremenda expansão de crédito público, a juros subsidiados, o que forçou a adoção de medidas heterodoxas - controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações tributárias - no combate a inflação. Por fim, a taxa de câmbio flutuante foi substituída por um sem número de intervenções no mercado cambial, tentando gerar aquilo que o governo chamou de taxa de câmbio competitiva (seja lá o que for isso).

O resultado da Nova Matriz Econômica é claro:
- crescimento baixo,
- inflação alta, e
- situação insustentável das finanças públicas.

Mas o pior legado dessa experiência fracassada é outro: deixou-se de lado as reformas estruturais necessárias ao país.
Na época do tripé econômico havia a estabilidade necessária, a previsibilidade adequada, para a realização das grandes reformas: tributária, previdenciária, trabalhista, abertura econômica, desburocratização, entre outras, que garantiriam um desempenho de longo prazo a economia brasileira.
Hoje o governo deixou essa discussão de lado, abandonou o tema na crença de que o problema do Brasil é de demanda. Infelizmente para nós, o problema brasileiro é de oferta (e não de demanda como os técnicos do governo parecem ter acreditado). Isto é, a solução para os problemas do Brasil passam necessariamente pelo aumento de nossa produtividade. Isso só pode ser conseguido por meio das grandes reformas econômicas que nosso país precisa. (...)

Procure outras opiniões na web (Sugestão: Google)


Blog do Mansueto Almeida

Mansueto Facundo de Almeida Jr (foto) é formado em economia pela Univ. Federal do Ceará, Mestre em Economia pela Universidade de São Paulo (USP) e cursou Doutorado em Políticas Públicas no MIT, Cambridge (USA), mas não defendeu a tese. É Técnico de Planejamento e Pesquisa do IPEA, tendo assumido os seguintes cargos em Brasília: coordenador-geral de Política Monetária e Financeira na Secretaria de Política Econômica no Min. da Fazenda (1995-1997), assessor da Comissão de Desenvolvimento Regional e de Turismo do Senado Federal (2005-2006) e Assessor Econômico do Senador Tasso Jereissati. É funcionário de carreira do IPEA em Brasília.


Forme sua opinião
A caixa-preta do BNDES

Nota de Helio Rosa
Estou colecionando textos sobre o BNDES.
Abaixo estão algumas matérias recentes registradas neste website/arquivo: A caixa-preta do BNDES.  Há uma página inicial e um Índice de artigos e notícias com links para as transcrições, com os devidos créditos.
HR


Forme sua opinião
Controle da Mídia

Nota de Helio Rosa:
Em 2010 iniciei a coleta de matérias sobre o assunto genérico "censura da imprensa", cujas "nuances" são, entre outras, "controle social da mídia", "democratização dos serviços de comunicações", "regulação ou regulamentação da mídia" e "controle de conteúdo".
Aos poucos, estou acrescentado novos textos, fruto do aprofundamento da pesquisa.

O website/arquivo do WirelessBRASIL- Controle da Mídia - possui uma página inicial e um índice de artigos e notícias que remete às transcrições, com os devidos créditos.

Aqui está a última matéria registrada:

Leia na Fonte: Estadão
[19/07/15]  A coceira da restrição à liberdade - Editorial (Sobre restrição à contratação de institutos de pesquisa eleitoral por parte de empresas de comunicação)

==> Leia mais no website/arquivo do WirelessBRASIL: Controle da Mídia
HR


Forme sua opinião
Acordos de leniência e Lei Anticorrupção

Nota de Helio Rosa
01.
O assunto "acordos de leniência" está vinculado ao tema regulamentação da "Lei Anticorrupção" e ambos  afetam as empresas envolvidas na Operação Lava Jato. É um imbróglio de razoável complexidade. Mas o momento exige um esforço para acompanhar esta e outras questões, além da leitura rápida das manchetes e dos resumos televisivos. Entender é preciso, para formar opinião e se posicionar. Em tempos de "redes sociais" e manifestações nas ruas, a atuação do "cidadão comum" faz uma enorme diferença!!! Participar é preciso! Resistir é preciso!

02.
Nesta página do WirelessBRASIL está uma seleção de textos e vídeos sobre o tema: Acordos de leniência e Lei Anticorrupção.

Lembro, utilizando um "recorte" da mídia:
"A Lei Anticorrupção foi regulamentada recentemente pela presidente Dilma Rousseff e detalha, entre outras coisas, como serão conduzidos os acordos de leniência, que funcionam como um tipo de delação premiada para empresas. Na prática, o acordo permite que as companhias envolvidas em escândalos de corrupção colaborem com as investigações e paguem uma multa que seja suficiente para recompor as perdas do Estado (ou de estatais) com os desvios. Em troca, poderão continuar participando de licitações públicas." [Fonte]

03.
Matérias recentes:
Leia na Fonte: Estadão

[12/06/15]  A CGU já anistiou as empreiteiras da Lava Jato - por Modesto Carvalhosa

Leia na Fonte: G1
[08/06/15]  Empresas da Lava Jato podem atuar em pacote de concessões, diz CGU - por Renan Ramalho

03.
Saiba mais sobre os Órgãos envolvidos lendo na Wikipédia:

O Ministério Público Federal (MPF) do Brasil faz parte do Ministério Público da União (MPU), que também é composto pelo Ministério Público do Trabalho, pelo Ministério Público Militar e pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Juntos, o MPU e os Ministérios Públicos Estaduais formam o Ministério Público do Brasil. O Chefe da instituição é o Procurador-Geral da República.

- CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica

- CGU - Controladoria-Geral da União

- AGU - Advocacia-Geral da União

- TCU - Tribunal de Contas da União

HR
13/06/15

==> Ver mais matérias e suas transcrições em Acordos de leniência e Lei Anticorrupção, no WirelessBRASIL.


Forme sua opinião
Fachin no STF

Nota de Helio Rosa
Durante o ano de 2015 colecionei matérias sobre este tema neste website/arquivo - Fachin no STF - do WirelessBRASIL.

Empossado Luiz Edson Fachin como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) em 16 de junho de 2015, após enorme polêmica sobre sua atuação profissional e uma desgastante sabatina no Senado, continuo o registro do noticiário e destaco esta opinião de Reinaldo Azevedo:

"O maior número de “nãos” a um indicado da história do Supremo — exceção a quatro que foram recusados ainda no governo Floriano Peixoto — deve ser saudado como uma conquista, sim, de autonomia da Casa. De resto, a mais longa sabatina arrancou do então candidato o “compromisso vinculante”. Ele afirmou que se poderia cobrar do ministro o que disse o candidato, lembrando que ele se comprometeu com a defesa da propriedade e dos valores da família.
E é claro que isso lhe vai ser cobrado."

==> Veja as transcrições das matérias sobre este tema no website/arquivo - Fachin no STF - do WirelessBRASIL.


Forme sua opinião
Eugênio Aragão no Ministério da Justiça

Nota de Helio Rosa:
Estou encerrando o "website_arquivo" com matérias sobre o imbróglio da nomeação de Eugênio Aragão para o Ministério da Justiça.

Últimas notícias registradas na página-índice de artigos e notícias.

Leia na Fonte: O Globo
[28/05/16]  A importância de um Judiciário independente - Editorial
(...) Instituições têm resistido a investidas como a da nomeação de um procurador companheiro, Eugênio Aragão, para ministro da Justiça, a fim de conter a Polícia Federal, um pedido insistente de Lula não atendido pelo antecessor de Aragão, José Eduardo Cardozo. Também em vão.(...)

Leia na Fonte: Radar Online
[13/05/16]  Sem clima para Aragão - por Vera Magalhães

Leia na Fonte: Radar Online
[13/05/16]  Aragão: sem conversa prévia

Leia na Fonte: Radar Online
[13/05/16]  Na saideira, Aragão coloca responsável pela Acrônimo à disposição de Pimentel - por Vera Magalhães

Leia na Fonte: Radar Online
[11/05/16]  Aragão arrumando a casa para o próximo ministro

Leia na Fonte: Amazônia
[13/05/16]  Aragão deixa cargo “de alma lavada” por avanços na demarcação de áreas indígenas

Leia na Fonte: G1
[26/04/16]  Governo repassará toda a verba do ano à PF antes do dia 11, diz ministro Aragão - por Ana Paula Andreolla

==> Ver mais matérias aqui
HR
28/05/16


Textos e vídeos de Augusto Nunes

Augusto Nunes é Colunista de Veja.com, já venceu quatro Prêmios Esso de Jornalismo, dirigiu as revistas Veja, Época e Forbes e os jornais O Estado de S.Paulo, Jornal do Brasil e Zero Hora. Publicou as memórias de Samuel Weiner e uma biografia de Tancredo Neves. Na televisão, foi apresentador do programa Roda Viva, da TV Cultura, entre 1987 e 1989. Antes e depois de ancorar o programa, participou várias vezes da bancada de entrevistadores, em sua versão antiga. Entre setembro de 2010 e agosto de 2011, foi um dos participantes fixos da nova fase programa. Ver mais Perfil

==> Ver textos e vídeos de Augusto Nunes em sua Coluna da revista Veja.


Blog do Marco Antônio Villa

Marco Antonio Villa (foto) é Bacharel e Licenciado em História, Mestre em Sociologia e Doutor em História. Professor do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos (1994-2013). É colunista da Veja. Villa mantém um Blog onde registra seus textos e suas participações em outros órgãos da mídia.

==> Ler mais no Blog do Marco Antônio Villa


Vespeiro: Blog de Fernão Lara Mesquita

Vespeiro é o blog de Fernão Lara Mesquita (foto), um jornalista que só acredita em jornalismo como instrumento de reformas. Militou 30 anos na profissão, exercendo todas as tarefas praticadas nas redações. Quando as deixou, em 2003, era diretor do Jornal da Tarde e diretor de Opinião de O Estado de S. Paulo. Ler mais Perfil

==> Veja textos de Fernão Lara Mesquita e outros autores em Vespeiro.


Blog do Raul Velloso

Economista. Bacharel pela UERJ. Mestre pela FGV-Rio e Yale University. Ph.D. em economia pela Yale University (1981). Professor. UERJ (1979-80) e ENAP – Escola Nacional de Administração Pública No Governo Federal. IPEA: coordenador de setores e áreas (1981-84). No Ministério do Planejamento: Secretário Nacional Adjunto (1990-91) e Secretário para Assuntos Econômicos (1985-89). Membro do Conselho de Administração do BNDES, EMBRAER e IBGE. ATUAL: Consultor econômico e colunista dos jornais O Estado de São Paulo e O Globo. Ver mais Perfil

Ler mais no Blog do Raul Velloso


• Textos de Carlos Alberto Sardenberg

Carlos Alberto Sardenberg, jornalista, é âncora do programa CBN Brasil, veiculado de segunda a sexta, das 12 às 14 hs, pela CBN, rede nacional de radiojornalismo. É comentarista econômico dos programas noticiosos da CBN, do Jornal das Dez (da Globonews) e do Jornal da Globo, da TV Globo. Escreve uma coluna em O Estado de S.Paulo, às segundas-feiras, e outra, às quintas-feiras, no jornal O Globo. (...) Em 43 anos de jornalismo, trabalhou como repórter, redator e editor nos jornais O Estado de S.Paulo, Jornal do Brasil e Folha de S.Paulo. Nas mesmas funções, trabalhou ainda nas revistas Veja e IstoÉ. Ler mais "resumo biográfico". HR

==> Ler textos de Carlos Alberto Sardenberg no Portal Sardenberg. Ler suas Colunas no O Globo.


Alerta Total - Website de Jorge Serrão

Jorge Serrão (foto), 43 anos, é Jornalista, Radialista e Professor de Comunicação e Marketing. HR

==> Ver textos de Jorge Serrão e de outros autores no Alerta Total
 


• Textos de João Bosco Rabello

João Bosco Rabello está no jornalismo político desde 1977, em Brasília, onde participou da cobertura do período que vai da abertura do regime militar à Assembléia Nacional Constituinte de 88, passando pela redemocratização, com a eleição e morte de Tancredo Neves, o primeiro governo civil, de José Sarney e os que o sucederam. Foi editor e diretor de sucursal, no Correio Braziliense, Empresa Brasileira de Notícias, O Globo, Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo (1990/2013), nessa ordem. É responsável também pelo conteúdo de análise política do serviço em tempo real Broadcast, da Agência Estado. Ver mais Perfil

==> Ler textos de João Bosco Rabello no seu Blog ou nas Colunas do Estadão.


Nota de Helio Rosa:
Para não deixar passar a data em branco....
Há 51 anos, em 19 de março de 1964, o povo foi às ruas.
Vale conferir o editorial da Folha do dia seguinte:
Fonte: Acervo da Folha de S. Paulo
[20/03/64]  Povo, apenas povo (Editorial sobre a "Marcha da Família com Deus e pela Liberdade")

Este registro faz parte de uma pesquisa que fiz consultando acervos de jornais da época para compor este Website do BLOCO Resistência do WirelessBRASIL:
Revolução de 1964 - Os 31 dias de Março e os primeiros dias de Abril

Neste link está a relação completa das Marchas realizadas de março a junho de 1964.
HR


Textos de José Casado

José Casado (foto) é Jornalista. Trabalha na Editoria de Opiniao do Jornal O Globo. Em Vitória, onde nasceu, foi repórter e editor nos jornais O Diário, A Tribuna, A Gazeta e na Revista Agora. Em Niterói foi repórter no jornal O Dia, e, repórter e editor no jornal O Fluminense. No Rio foi repórter no O Jornal e editor de Economia no Jornal do Brasil. Em Sao Paulo foi editor de Economia e de Brasil na Revista Época; repórter, editor e colunista na Gazeta Mercantil; repórter e colunista no Jornal O Estado de S. Paulo; repórter nas revistas Construção Hoje e Construção Sao Paulo. Em Brasília, foi chefe de sucursal na Revista Época e repórter na Gazeta Mercantil. Foi colaborador fixo dos semanários Opinião (Rio) e Coojornal (Porto Alegre). [Fonte]

==> Ler textos de José Casado na Seção Opinião de O Globo


GloboNews Play

Nota de Helio Rosa:
Segundo informações contidas nesta página do GloboNews Play, o acesso aos vídeos é gratuito para assinantes da Net, Oi TV, GVT, CTBC e Multiplay. Para assistir é preciso fornecer o login de assinante das operadoras citadas.
HR


• Textos de Mary Zaidan

Mary Zaidan é jornalista. Entre 1978 e 1985, foi repórter na emissora de rádio do Governo do Estado de Minas Gerais, a Inconfidência. Migrou para o jornalismo impresso, como subeditora de política no Jornal de Domingo (Belo Horizonte/MG). Também foi repórter de política dos jornais O Globo e O Estado de S.Paulo, em ambos na sucursal de Brasília/DF. Em São Paulo/SP, trabalhou como subeditora de política na Agência Estado, entre 1991 e 1993.
Após um período como assessora de imprensa do Governo do Estado de São Paulo, Mary Zaidan foi diretora da agência Casa do Texto. Desde 2004 assessora a agência Lu Fernandes e desde 2009 escreve artigos dominicais para o Blog do Noblat, blog político do jornalista Ricardo Noblat. Ver mais Perfil.

==> Ver links para os textos de Mary Zaidan na web ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


• Textos de Ruy Fabiano

Ruy Fabiano é jornalista, com curso de extensão em Ciência Política. Passou por algumas das principais redações do País: TV Tupi, O Globo, Última Hora, Editora Abril, Revista Visão, Gazeta Mercantil, Correio Braziliense e Agência Estado. Há 22 anos cobre a área política em Brasília. Foi, durante oito anos, colunista político diário do Correio Braziliense e da Agência Estado. Atualmente exerce a função de consultor político. [Fonte]

==> Ver mais textos de Ruy Fabiano na web ou no Blog do Noblat, nesta Coleção


• Textos de Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa

Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa é professora e tradutora, e escreve semanalmente para o Blog do Noblat desde agosto de 2005. Ela também tem uma fanpage e um blog – Maria Helena RR de Sousa.
Anotação em seu blog: "Só adianto que sou colaboradora entusiasmada do Blog do Noblat, onde tento aprender, com o mestre e amigo, duas coisas que julgava impossível aprender na tenra idade em que estou: ser mais paciente e menos rebelde". HR

==> Ver links para os textos de Maria Helena Rubinato na web ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


Blog de Ruth de Aquino

Ruth de Aquino (foto) é jornalista com mestrado em Mídia na London School of Economics e tese sobre Ética. Trabalhou na BBC, foi correspondente em Londres e Paris, editora internacional, diretora de redação e redatora-chefe. Ler mais  Email: raquino@edglobo.com.br. Twitter: @ruthdeaquino

==> Veja textos de Ruth de Aquino no Blog de Ruth de Aquino ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.



Website do Percival Puggina

Percival Puggina (foto), 69 anos, é arquiteto, empresário, escritor , membro da Academia Rio-Grandense de Letras e titular do website www.puggina.org.  Escreve, semanalmente, artigos para vários jornais do Rio Grande do Sul, entre eles Zero Hora. Sua coluna é reproduzida por mais de uma centena de jornais.
É considerado um dos mais combativos adversários do PT no Rio Grande do Sul.
É autor de "Crônicas contra o totalitarismo"; "Cuba, a tragédia da utopia" e "Pombas e Gaviões". É membro do grupo Pensar+.  Clique aqui  para ver a relação de seus artigos. HR

==> Ver todos os textos no Website do Percival Puggina


• Textos de Elio Gaspari

Elio Gaspari é um jornalista e escritor ítalo-brasileiro. Nascido na Itália, Gaspari chegou ao Brasil em 1949.  Começou a carreira jornalística num semanário chamado Novos Rumos, e depois foi auxiliar do colunista social Ibrahim Sued, passando a seguir por publicações de destaque, como o Diário de São Paulo, a revista Veja e o Jornal do Brasil. Em seus artigos, trata com ironia as personalidades. Para tanto, lança mão de personagens como Madame Natasha, professora de português que "condena a tortura do idioma" e vive concedendo "bolsas de estudo" àqueles que se expressam de modo empolado. Já Eremildo, o idiota, é uma sátira aos que usam indevidamente o dinheiro público. Ler mais na Wikipédia.  HR

==> Ver links para os textos de Elio Gaspari na web, no Globo ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


• Textos de Murillo de Aragão

Murillo de Aragão é advogado, jornalista, cientista político e presidente da Arko Advice Pesquisas e sócio da LRCA Advogados. É Formado em Direito pela Faculdade de Direito do Distrito Federal (CEUB), é mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília e doutor em Sociologia (estudos latino-americanos) pelo Ceppac – Universidade de Brasília. [Ler mais "Perfil" em Blog do Murillo de Aragão e Website de Murillo de Aragão]

==> Ler textos no Blog do Murillo de Aragão, Website de Murillo de Aragão ou no Blog do Noblat, nesta coleção.


 O famigerado Decreto 8.243/2014

Nota de Helio Rosa:
01.
O acompanhamento deste tema é feito neste
website, constituído de uma Página Inicial, um Índice de Artigos e Notícias e uma coleção de transcrições.

Leia a íntegra do Decreto nº 8243 de 23 de maio de 2014
HR

==>
Consulte o Índice de Artigos e Notícias sobre o tema no WirelessBRASIL


Blog de Guilherme Fiuza

Guilherme Fiuza (foto) é um jornalista e escritor brasileiro. Iniciou a carreira em 1987, no "Jornal do Brasil".
Entre outras redações, trabalhou também em "O Globo", do qual é hoje articulista. É colunista de política da Revista Época. Ler mais na Wikipédia.

==> Ler textos de Guilherme Fiuza no Blog de Guilherme Fiuza ou no Blog do Noblat, nesta Coleção


• Textos de Carlos Alberto Di Franco

Carlos Alberto Di Franco é diretor do Departamento de Comunicação do Instituto Internacional de Ciência Sociais – IICS e doutor em Comunicação pela Universidade de Navarra, é diretor da Di Franco – Consultoria em Estratégia de Mídia. E-mail: difranco@iics.org.br.  HR

==> Leir mais textos de Carlos Alberto Di Franco na web ou no Blog do Noblat, nesta Coleção


• Textos de Demétrio Magnoli

Demétrio Magnoli é bacharel em Ciências Sociais e Jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP), Doutor em Geografia Humana pelo Departamento de Geografia da FFLCH-USP e pesquisador do Grupo de Análises de Conjuntura Internacional (GACINT) da USP. Como docente no Ensino Superior, foi professor das disciplinas de Geografia Política e Geografia Urbana no Departamento de Geografia da Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC-SP). Na condição de pesquisador, especializou-se nas áreas de Relações Internacionais e Geografia Política, publicando diversos ensaios e obras, entre as quais O Corpo da Pátria: imaginação geográfica e política externa no Brasil (1808-1912), pela Editora Unesp, e Uma gota de sangue – história do pensamento racial (SP, Contexto, 2009). Também organizou História das Guerras e História da Paz, ambas pela Editora Contexto. Trabalhando para a Fundação Alexandre de Gusmão do Ministério das Relações Exteriores, produziu o manual de Relações Internacionais. (...) [Fonte]

==> Ler textos de Demétrio Magnoli na web ou na Folha de S. Paulo ou ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


• Textos de Joaquim Falcão

Joaquim Falcão é Doutor em Educação pela Université de Génève. LL.M. pela Harvard Law School. Bacharel em Direito pela Puc-RJ. Foi conselheiro do Conselho Nacional de Justiça de junho de 2005 a junho de 2009. Diretor da FGV DIREITO RIO.
Docente do Curso de Graduação. Docente do Curso de Mestrado. Docente do Programa de Capacitação em Poder Judiciário [Fonte]

==> Leir textos de Joaquim Falcão na web ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


• Textos de Dorrit Harazim

Dorrit Harazim começou a carreira jornalística em 1966 como pesquisadora da revista semanal francesa Express. Ainda em Paris, foi convidada por Mino Carta a se juntar à equipe da recém-lançada revista VEJA, em 1968. Foi repórter, editora, redatora-chefe da revista ao longo das décadas seguintes e chefiou o escritório da Editora Abril em Nova York durante cinco anos. Ao longo deste percurso recebeu 11 prêmios Abril de Jornalismo. Também trabalhou no Jornal do Brasil nos anos 1970. 
Ler mais na Wikipédia.

==> Ler textos de Dorrit Harazim na web no Blog do Noblat, nesta Coleção.


• Textos de Sandro Vaia

Nota de Helio Rosa
Leia na mídia, com tristeza, a notícia do falecimento de Sandro Vaia.
Durante alguns anos colecionei links para seus artigos, para ajudar na divulgação e para meu uso pessoal: faço constantemente releituras de textos que me agradam, e sempre descubro novos detalhes de conteúdo, opinião,  redação e estilo, que me escapam na primeira na leitura, normalmente apressada.
Saudades, Sandro!
HR [03/04/16]

Sandro Vaia
é jornalista. Foi repórter, redator e editor do Jornal da Tarde, diretor de Redação da revista Afinal, diretor de Informação da Agência Estado e diretor de Redação de “O Estado de S.Paulo”. É autor do livro “A Ilha Roubada”, (editora Barcarolla) sobre a blogueira cubana Yoani Sanchez e "Armênio Guedes, Sereno Guerreito da Liberdade"(editora Barcarolla). 

==> Ver links para os textos de Sandro Vaia na web, neste website ou no Blog do Noblat, nesta Coleção.


Homenagem do "trekky" Helio Rosa


Ler reportagem na Veja (27/02/14)


25 de julho de 1966:  O "atentado de Guararapes"

Nota de Helio Rosa:
Escrevi no final desta página:
(...) Com 74 anos de idade, acompanhei e vivenciei a história recente do país e sou
testemunha ocular e sobrevivente do "atentado do aeroporto dos Guararapes", em 1966 (...)
Para não deixar este "25 de julho" passar em branco, transcrevo um texto de 2013 do jornalista Elio Gaspari.
HR

Leia na Fonte: Blog do Noblat
[15/12/13]  Eduardo Campos e o atentado de Guararapes - por Elio Gaspari

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tinha 1 ano de vida quando aconteceu o primeiro atentado terrorista de vulto da década.

No dia 25 de julho de 1966, explodiu uma bomba no saguão do aeroporto de Guararapes, onde centenas de pessoas esperavam pelo marechal Arthur da Costa e Silva, que sucederia a seu colega Castello Branco na Presidência da República.

A explosão matou um almirante, um jornalista e feriu 14 pessoas, inclusive uma criança.

Durante a cerimônia em que Ricardo Zarattini foi justamente inocentado de qualquer responsabilidade pelo episódio, Campos relembrou uma velha desconfiança: o atentado teria sido “um episódio utilizado para dividir a resistência ao golpe”.

Sem o esclarecimento de que o atentado foi obra de militantes de esquerda, sobra a suspeita de que os militares tiveram algo a ver com a coisa. Lenda desonesta.


Naqueles dias, explodiram no Recife três bombas. Todas colocadas por um grupo ligado à Ação Popular, a AP. Quem montou e colocou o explosivo no aeroporto foi Raimundo Gonçalves Figueiredo, o “Raimundinho”.

Vindo para o Rio, e militando na VAR-Palmares, detonou mais duas bombas e foi assassinado em 1971.

Eduardo Campos já tinha 25 anos quando Jacob Gorender esclareceu que Zarattini nada tinha a ver com o atentado. Gorender sabia a identidade do autor.

O governador tinha 30 anos quando o “Jornal do Commercio” do Recife publicou uma reportagem definitiva sobre o assunto. Nela, havia uma entrevista do ex-padre Alípio de Freitas, que teria sido o mentor do grupo, ao repórter Gilvandro Filho.

Nas palavras de Alípio: “Morreu gente, nós lamentamos. Mas aquilo era uma guerra, tinha que haver vítimas”.


Revolução de 1964 - Os 31 dias de Março e os primeiros dias de Abril
  
Website do BLOCO Resistência - Transcrição dos jornais da época

15/04/13 (Último dia desta serie de "posts")
Revolução de 1964 - Os primeiros dias de Abril (15) - Seleção de manchetes dos dias 15 e 16 Abr 1964 + Leituras complementares

Nota de Helio Rosa:
Este "post" conclui a Série sobre a os acontecimentos no entorno do dia 31 de março de 1964. Neste website estão transcritas ou referenciadas as principais notícias dos jornais da época (aqueles cujos acervos estão disponíveis na web) que foram lembradas aqui durante todo o mês de março, com prosseguimento até o dia 15 de abril, para repercutir principalmente mais dois fatos importantes: o Ato Institucional (mais tarde chamado de nº 1) e a eleição do general Humberto de Alencar Castelo Branco para presidir o Brasil em substituição ao sr. Ranieri Mazzilli, empossado pelo Congresso, com o abandono do cargo pelo Sr. João Goulart. O "post" de hoje contém também notícias e manchetes do dia 16 de abril.

Algumas das páginas dos acervos estão com imagens precárias, impossíveis de reprodução pelo método de "reconhecimento de caracteres", mas sempre será possível a leitura na fonte. Este é objetivo deste esforço: convidar e estimular a leitura do que foi registrado para que cada um possa formar sua própria opinião!
A história do "movimento revolucionário de 31 de março de 1964" passa por uma tentativa de esquecimento (ou reformulação) por parte do governo e do partido dominante que lhe dá suporte. Se alguém tem dúvida do ocorrido, deve ler os jornais da época e consultar obras de historiadores isentos.

É importante, para se situar no tempo, lembrar que na época, Rússia, China e Cuba eram ditaduras sanguinárias e havia um fortíssimo esforço desses países para exportar o comunismo para todas as nações do mundo. O Partido Comunista Brasileiro (PCB), desde sua criação, em 1922, alternou longos períodos na ilegalidade. No governo João Goulart, derrubado pelo movimento de 1964, os comunistas continuavam na ilegalidade mas seus integrantes estavam muito infiltrados no governo, conforme comprovam os jornais da época.
Daí a enorme participação popular nas famosas "Marchas da Família com Deus pela Liberdade", também chamadas de "Marchas da Vitória", após o "31 de Março" (ver Cronologia das Marchas da Família em todo o Brasil em 1964).

O "movimento revolucionário de 1964" é um momento marcante da história do Brasil, com envolvimento de toda a sociedade, e deve ser glorificado. Sempre! Não será esquecido!
HR

==> Ler a íntegra do "post" e a transcrição das matérias

Matérias transcritas nesta página:
Fonte: Acervo do Jornal do Brasil
[16/04/64]  Rio festeja a posse de Castelo

Fonte: Acervo do Jornal do Brasil
[15/04/64]  Vitória Democrática - Editorial de 15 de abril

Fonte: Acervo do Jornal do Brasil
[16/04/64]  Cruzada cívica - Editorial de 16 de abril

Fonte: Acervo do Jornal do Brasil
[16/04/64]  Discurso de posse do Presidente Castelo Branco

Leitura complementar:
Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Humberto de Alencar Castelo Branco

Referências sem transcrição:
Manchetes
Acervo do Jornal do Brasil - Edição de 15 abril de 64
- Castelo toma posse e revela Ministério hoje
- Castelo Branco chega à Brasília ao meio-dia para tomar posse
- Brasília recebe seu quinto Presidente (coluna do jornalista Carlos Castello Branco)
- Castelo declara bens antes de de assumir a Presidência da República
- Ministro da Guerra diz que chegou a hora de a tropa voltar para o quartel
- Comando suspende direitos políticos de mais 67 pessoas
- Vitória democrática - Editorial
- PSD teme Ministério de tendência udenista
- Lacerda em S. Paulo adverte que a revolução não tolera pressão de interesses

Acervo do Jornal do Brasil - Edição de 16 de abril de 64
- Castelo condena radicalismo e anuncia reformas
- Castelo Branco vai estimular livre empresa com justiça social
- Posse do Presidente durou 45 minutos
- Mazzilli passa faixa a Castelo
- PSD deverá ter uma participação maior
- Mazzilli pede a Castelo que promova a recuperação econômica do Brasil

Acervo da Folha de São Paulo - Edição de 15 de abril de 64
- Castelo já Marechal assumirá às 16 horas
- Carta ao Presidente - Editorial
- Castelo - história em quatro etapas
- Adaptação do Regimento Interno ao Ato Institucional

Acervo da Folha de São Paulo - Edição de 16 de abril de 64
- Castelo pede ajuda a todos os brasileiros
- Escolhidos doze ministros; falta um
- Ministério menos político não chega a ser apolítico
- O Presidente de todos - Editorial
- Saneamento na Educação
- Castelo, o 1º Presidente a fazer declaração de bens
- Seis Ministros assumiram hoje

==> Ler a íntegra do "post" e a transcrição das matérias


Coleções de links:

- Dora Kramer

- Blog do Reinaldo Azevedo

- TVeja

- Estadão: Editoriais e Artigos de Opinião

 


"Posts" sobre um mesmo tema colecionados em páginas especiais:

Coleção de "posts" em páginas especiais:

Destaques:
- Revolução de 1964 - Artigos e notícias de jornais da época, dia a dia, durante os 31 dias de Março e os 15 primeiros dias de Abril de 1964
- "Mensalão": registro resumido do dia a dia do julgamento - Atualizado até a seção do encerramento: 53º dia (17/12/12).
- Coleção de vídeos da Veja com debates sobre o julgamento do "mensalão

A Comichão da Meia-Verdade
A partilha do butim 
A tropa do BloP - Blogueiros Progressistas
A Turma da Presidenta 
Com ou sem Tiririca, o Congresso pior fica
Controle social da mídia 
Dilma na luta armada 
Discursos e promessas de Dilma 
GOLP - Governo Lula Paralelo
Herança maldita do governo Lula
Inácio, o falastrão 
Mal assessorada, Dilma acende estopim de crise militar
"O Chefe": Livro sobre o escândalo do "mensalão" 
O escândalo do "mensalão" 
"Orvil": A "Comissão da Verdade" do Exército que assombra a esquerda brasileira 
O papel das oposições 
Revolução de 1964 - Os 31 dias de Março e os primeiros dias de Abril (transcrição dos jornais da época, dia a dia) 
Teori Zavascki, novo Ministro do STF
Xô, Dirceu! O povo não esqueceu!